Posts Tagged 'Internacional'

O jogo foi muito bom, mas empate sempre é chato

Tentando por o blog em dia, mais um post sobre a rodada. Eu sei que estou atrasado, mas em breve colocarei tudo em dia.

Gostei muito do jogo entre Coritiba e Internacional no domingo, não é de hoje que o Coxa agrada a todos, mas também impressiona como falta algo mais para que os resultados sejam ainda mais expressivos.

Nesse jogo em especial o goleiro colorado pegou tudo. Muriel aproveitou a chance, fechou o gol e foi o principal responsável pelo empate. Até o pênalti ele pegou, mas sua defesa não colaborou e ele tomou o gol no rebote.

A equipe do Inter não me agrada, creio que pode render muito mais, mas sem técnico fica difícil. Falcão não demonstra firmeza, e há quem diga que o elenco não confia nele.

Já o Coxa, como disse anteriormente apresenta um futebol muito agradável de ver, bom toque de bola boa chegada a frente, se o Biu não atrapalhasse tanto…

 

Anúncios

Fora do Tri, dentro do Hexa

Alguns já devem ter percebido que o blog optou por escrever os posts da “quarta-feira de cinzas” em ordem crescente de imprevisibilidade. Primeiro o Grêmio que já estava claro que iria cair fora, depois o Fluminense, que mesmo com um bom placar em casa enfrentava uma equipe muito boa e em seu estádio, agora falemos do Internacional.

Para quem não é tão acostumado aos números da Libertadores, tínhamos em campo ontem nada menos que 7 títulos, sendo 5 do lado Carbonero.

O Internacional conseguiu um excelente resultado em Montevidéu, mesmo não jogando bem e ontem bastava um 0x0 para passar de fase. No início da partida Oscar fez 1×0 e parecia que estava tudo definido.

E o pior, os jogadores do Inter achavam mesmo que estava tudo definido. Foram indolentes, preguiçosos algumas vezes. Não acreditavam que o time uruguaio poderia reagir.

Li ontem no twitter uma coisa que acho bem pertinente, que falava que o abismo técnico entre Inter e Peñarol era proporcional ao abismo de história entre os dois. Existem coisas que o futebol não explica, e a chamada “camisa” é uma delas.

Não se pode achar que está ganho um jogo sobre times como este uruguaio, simplesmente não pode. Em 5′ o Penãrol virou, e o Inter não viu a cor da bola.

Depois o despreparo do treinador aliado ao emocional da equipe impediram que o time conseguisse retomar a vantagem no placar e por consequência a classificação.

Falcão escalou mal e mexeu pior ainda. Montou o time em um 4-2-3-1 e deixou Leandro Damião isolado lá na frente. Oscar não chegava e Andrezinho, bom não reclamo de Andrezinho não, errado está quem coloca ele para jogar.

Na hora de mexer, quando o time já estava sendo eliminado, Falcão colocou um volante, Tinga e um meia que era reserva do Inter B, Ricardo Goulart. Nem preciso dizer que não deu certo não é. Só no final do jogo que ele resolveu colocar Rafael Sóbis. Incompreensíveis as escolhas do treinador.

No final, o abafa não foi o suficiente, e se o Inter está fora da disputa pelo Tri, o Penãrol, mesmo com um time limitado, após essa classificação heroica com uma vitória em Porto Alegre, está cada vez mais dentro da briga pelo Hexa.

Como se pode notar, por mais que a noite tenha sido tenebrosa para todos, cada partida teve sua particularidade, não foram os astros que fizeram os brasileiros serem desclassificados, foi a bola. E como diz Muricy, “a bola pune”.

Sheik Who?

Tivemos mais dois jogos ontem pela Libertadores, e podemos dizer que os dois brasileiros mandaram bem. Enquanto o Inter arrancou um empate no Uruguai, o Fluminense fez o dever de casa, venceu o Libertad por 3×1 e inverteu bem a vantagem do time paraguaio.

Assisti ao primeiro tempo do jogo do Inter, e cá entre nós, fraco, muito fraquinho. O Peñarol não é nem sombra do que já foi, e o Inter jogou muito mal, tanto que tomou um gol e foi para o intervalo perdendo. Analisando assim, o empate foi muito bom resultado, mas o time tem que melhorar muito se quiser pintar a América novamente de vermelho.

Findo o jogo em Montevidéu era para termos início do cotejo no Engenhão. Eis que pela terceira vez no ano o estádio fica sem luz. Não devo ter sido o único que pensou, ontem aquela coisa linda no Bernabéu e hoje nem luz no estádio temos. E é isso aí minha gente, Copa 2014 chegando e não conseguimos nem por refletores para funcionar. Após mais de um hora de interrupção a partida começou.

Como ontem era a despedida de um amigo meu que irá morar no México, confesso que não prestei muita atenção na partida, então não contarei aqui o que aconteceu com detalhes, até porque parece que foi o de sempre. Rafael Moura fez gol, Ricardo Berna falhou, Conca resolveu e o Flu saiu com um belo 3×1 de campo.

Definitivamente Berna não sabe sair do gol, não adianta ele fazer banana para a torcida, sair “pagando geral”, ele tem que treinar, só isso. Treine saída do gol, é sua deficiência, treine exaustivamente. O torcedor não tem culpa de suas falhas. E, cá entre nós, mais do que essa torcida tem apoiado o time será difícil viu.

Outro que foi vaiado e não gostou nada foi Fernando Bob, parece que até o técnico assumiu que foi erro dele, Enderson Moreira, escalar Bob fora de posição. Mas será que era motivo para tanto piti? O jogador brasileiro precisa ser mais humilde, muito mais humilde.

E o que interessa para o Flu é que Rafael Moura, que estava insatisfeito na reserva, vem mostrando em campo que merecia ser titular, vem fazendo muitos gols e jogando bem ao lado de Fred. Acho que em menos de uma semana a torcida tricolor nem lembra mais daquele jogador que cantou a musiquinha do Flamengo. Emerson, o quê? Sheik, who? Vida que segue…

Elegância ganha campeonato?

Este blog promove certas vezes alguns trocadilhos infames, é verdade, porém desta vez não, apesar da brincadeira com o homônimo do novo técnico do Internacional, a elegância que falo no título é de Paulo Roberto Falcão, o “verdadeiro”.

Não que eu tenha algo contra elegância, com se vestir e se portar bem, mas é sintomático após a contratação sua qualidade mais exaltada, além é claro da categoria que tinha como jogador, ser sua elegância.

Sentenciarei de imediato, roubada! “É uma cilada Bino!” Ambos se colocaram em uma situação ruim. Falcão saiu da “comodidade” que a vida de comentarista lhe proporcionava para tentar uma carreira que já não deu certo; e o Inter, no meio de uma Libertadores, prestes a entregar o Gaúcho para o Grêmio, aposta todas suas fichas num ex-futuro-treinador, que fracassou, inclusive no próprio colorado.

Como jogada de marketing, como atração de novos sócios, beleza, é uma contratação espetacular, nada como trazer o ídolo maior da torcida para mais perto dela. Agora como escolhe técnica, não dá para concordarmos, não era a melhor opção.

Muitos questionam, em vista a propagada elegância de Falcão, sua autoridade sobre os jogadores, dizem que ele não saberá se impor pois não é de seu temperamento.

Quanto a isso discordo, boleiro conhece boleiro; boleiro sabe lidar com boleiro como nenhum outro. Minha dúvida, minha desconfiança paira na qualidade mesmo de Paulo Roberto como treinador de futebol.

Não me aprofundo na discussão ética, ou se ele falava mal agora será retaliado pelos atletas, não há tempo para perder nisso dentro do futebol, isso, sinceramente não me preocuparia. Novamente repito, acho que Falcão não tem capacidade de ser um treinador de ponta, e confesso que espero estar enganado.

Não vejo ninguém falar que ele quando foi técnico era bom de treino, bom de jogo, estrategista ou motivador, só ouço dizer que ele é elegante. Ok, concordo, ele é; mas elegância ganha Campeonato?

Falando em treinador ruim…

Como vocês podem ver eu gosto do desenho do Shrek, afinal é o terceiro personagem dele que uso em 10 dias, segundo só hoje. Também espero que entendam, que é uma brincadeira com o treinador Celso Roth, não quero parecer agressivo com o comandante colorado. Mas que ele abusa da nossa boa vontade, ah ele abusa.

Não sou fã dele, muito pelo contrário, sou crítico ferrenho do seu jeito de trabalhar, e da maneira de agir, dentro do futebol, porém fora das “quatro linhas”. Ninguém me convence como ele ficou no Internacional depois de perder para o Mazembe. Não há análise racional que me faça entender isso.

Ontem o time do Internacional enfrentou o lanterna do México, o fraquíssimo Jaguares. Para quem é de Santa Catarina o trocadilho com jaguara é inevitável, pois o time parece mesmo um bando de jaguaras jogando bola.

Mas o Inter foi ainda pior, e merecidamente perdeu a partida. O gol mesmo é cena de bola murcha do Fantástico. Nei perdeu a bola de maneira grotesca, deixou o cara nas suas costas livre, e para finalizar o atacante virou no meio de três jogadores do colorado, coisa medonha.

Nei foi um show de horror a parte na contenda, fazia tempo que não via um profissional jogar tão mal. Mas como eu disse anteriormente, Roth não dá, arma mal, escala mal e mexe péssimo.

Time perdendo para um time medíocre e ele precisando de velocidade coloca Andrezinho. E para coroar ele saca Bolatti (segundo o treinador o jogador pediu para sair) e em vez de colocar um jogador para frente, para buscar o resultado, ele põe Wilson Mathias…”aí tu para né ô!”

Resultado disso tudo, se o Emelec vencer o Jorge Wiltersman hoje, o que é provável, o Inter pode perder a primeira colocação do grupo, e até a vaga se perder em casa na última rodada.

Deve se classificar, mas com um grupo fácil como esse, era obrigação uma melhor pontuação por parte dos colorados, jogando o que jogaram ontem não passam das oitavas. Os mais otimistas dizem que ano passado também foi assim, e os pessimistas lembram que o Inter não tem mais Giuliano.

A coisa já esteve mais vermelha lá pelos pampas.

Balanço da Libertadores

Com o empate do Grêmio hoje no Peru chegou a hora de fazer um balanço da participação brasileira até agora na Libertadores.

Falando rapidamente sobre o jogo de hoje, o time de Porto Alegre deixou mais uma vez a desejar e empatou um jogo fácil, que poderia encaminhar sua classificação para a segunda fase. O time do León é fraco, e não pode atrapalhar a vida do time gremista como fez hoje, temo que o “trote” do Renato Gaúcho tenha afetado um pouco a equipe.

A nota alegre do jogo foi o gol do Carlos Alberto e a comemoração imitando o goleiro do Mazembe. Eu acho muito divertido esse tipo de brincadeira, só não entendi por que quando Leandro Damião, do Internacional, fez uma brincadeira no mesmo estilo ele, Carlos Alberto, deu “ataque de pelanca” no twitter. Carlão, quem gosta de brincar, tem que saber receber provocação. Eu gosto, acho divertido, e só espero que as torcidas também levem com bom humor essas gozações.

Voltando ao balanço, penso que podemos separar os 5 clubes brasileiros em 3 situações bem definidas.

Internacional de Porto Alegre e Cruzeiro já podem se preparar para as oitavas, sobrando em seus grupos não há como não se classificarem. Ontem o time mineiro deu mais um show, mais uma goleada e tem jogado, disparado, o melhor futebol do Campeonato até então. Com certeza esse time merece um post só para ele, como já feito aqui nesse blog, mas ao menos essa menção tinha que ser feita agora.

Num pelotão intermediário, podemos assim dizer, se encontra o Grêmio, que deve se classificar, porém poderia ter vida mais fácil nesse grupo tão fraco. O tricolor gaúcho não está jogando bem, seu técnico ainda não encontrou a melhor escalação para o time nesse ano. Mesmo tendo todas as possibilidades de ir para as oitavas, se não melhorar, o time não vai muito mais longe na competição.

E por último temos os dois desesperados, Santos e Fluminense, apontados como favoritos antes do início da Competição, não estão jogando nada, e precisam melhor muito se quiserem passar para a próxima fase. Na verdade o Santos está numa situação menos complicada, além de ter um time melhor que o tricolor carioca, mas o fato é que para se garantir ambos tem que ganhar os 3 jogos restantes.

Acho que de uma vez por todas temos que entender que nossos times não estão “sobrando” na América do Sul, e não é só chegar, jogar e ganhar.

O Santos, ontem, começou ganhando e tomou 3 gols em menos de meia hora sem ver a cor da bola. O time vacilou, sim, mas Paredes, Miralles e Jorquera têm espaço em qualquer time do Brasil, são bons jogadores. Nem Neymar, nem Ganso, foram capazes de reverter o placar.

Passada mais da metade da primeira fase, muitas lições podem ser tiradas pelos times brasileiros, e espero que aprendam e que os 5 passem de fase, afinal ter Conca, Neymar, Ganso ou Fred fora da Libertadores seria muito ruim para o Campeonato.

A Zebra hoje era até Preta e Branca

Que zebra! Fez-se história hoje no futebol mundial. Pela primeira vez na história teremos um time africano na final do Mundial Interclubes. E o TP Mazembe é o responsável pela façanha.

Diretamente do twitter do time finalista: Mazembe vient d’ajouter une phrase à l’histoire … Vive l’Afrique, Vive le Football

E é verdade, foi feita história hoje em Abu Dhabi. A grande pergunta é a seguinte, o Mazembe venceu ou o Inter perdeu? E eu digo, os dois.

O time do Mazembe corre muito, tem uma disposiação impressionante, e se mostrou deveras eficiente no ataque. Mas só, é um time primário, que comete muitos erros na defesa e que não poderia em hipótese alguma vencer o Internacional nessa semi-final.

O Colorado já entrou em campo covarde, culpa de seu treinador que escalou 3 volantes contra um time tecnicamente muito inferior ao seu. O time gaúcho perdeu gols e não se achou em campo.

Para completar Celso Roth que já escalou mal, foi abaixo da mediocridade nas substituições. Demorou para por Giuliano, tirou Tinga, Alecsandro e Sóbis, não mereceu vencer.

Aos colorados só lhes cabe o choro, aos gremistas a comemoração pela derrota do rival, e ao mundo só cabe uma imagem:

 


Dois Toques

Lugar que um doido por esporte, principalmente futebol criou para escrever, ler, debater sobre tudo que seja relacionado ao esporte Bretão.

Twitter