Posts Tagged 'Santos'

Sois Rei, sois Rei!

Falou-se muito nessa semana sobre uma possível jogada de marketing do Santos. A ideia do time santista seria inscrever Pelé, o maior de todos, no Mundial Interclubes no final do ano.

No começo estranhei, mas achei legal. Agora que me acostumei com a ideia, achei genial, seria fantástico. Melhor jogada de marketing da história.

Vocês poderiam imaginar o que seria para o time Vila colocar o “negão” sentadinho no banco com o uniforme, com a sua eterna camisa nº 10. Seria épico. Essa imagem com certeza viajaria o mundo pelo resto dos tempos. Com seus 71 anos de vida o, maior de todos, o Rei, no banco, podendo entrar a qualquer momento.

É claro que ninguém em sã consciência imagina ele tabelando com Neymar, afinal são 71 anos de vida. Mas só a publicidade que a ideia teve já nos deixa imaginar o quão legal isso poderia ser para as finanças do clube.

Não sei se ele toparia, e o que Muricy acha disso, só sei que eu fiquei amarradão com a possibilidade.

E minha empolgação é meramente futebolística. Não me afetaria diretamente os milhões que o Santos poderia ganhar com isso, o que me dá até um frio na barriga é imaginar vê-lo em campo, mesmo que só na hora do hino.

Num campeonato longo por pontos corridos, é claro que eu não gastaria uma inscrição com um jogador que não entrará em campo, mas para jogar 2 jogos, 22 mais Pelé está mais do que bom.

E não posso deixar de sonhar, vai que na semi-final, jogo ganho, três gols de diferença, ele entra nos acréscimos e eu poderei dizer que vi Pelé jogar? Deixem-me sonhar.

Ouvi muitos chatos dizendo que é ridículo, que seria desperdício de jogador, que poderia fazer falta. É por causa de vocês que o nosso futebol está chato! Muito chato! Futebol é esporte, é lazer, é prazer.

E digo mais ainda, meu amigo Fernando Rossini deu uma ideia que seria assim o auge. Barcelona inscrever Maradona que já defendeu suas cores…seria o maior momento do futebol ou não? Uma final de mundial com os dois maiores da história podendo jogar, um de cada lado.

Sonhemos todos com o momento, e deixemos os chatos cornetarem em paz.

 

Monstruoso

O time do Santos é bom, muito bom, mas ontem não foi páreo para o bem montado Vasco da Gama. Há quem pensasse que seria um jogo desmotivado por ambos já estarem na Libertadores do ano que vem e o Santos, ainda por cima, terá o Mundial no final do ano.

Mas não, foi um belo jogo de futebol, o melhor que a chuva e a iluminação permitiram. Disseram que faltava luz em todo entorno do estádio, mas por que só metade dos refletores apagaram? Engana que eu gosto…

Falemos do jogo. A equipe cruz-maltina fez meia hora de dar gosto. Do apito inicial até o apação aos 29′ do primeiro tempo, parecia que o Vasco era “o” time e não seu adversário. O Santos também teve suas chances na primeira etapa, mas sem dúvida o domínio foi vascaíno.

O segundo tempo nos trouxe um time tentando meio que atabalhoadamente voltar ao jogo e um time, eu diria que estranhamente, tendo tranquilidade para segurar o jogo e não correr riscos, chegando com surpreendente calma a mais uma vitória.

Dito isto, há algumas coisas que tenho que destacar:

Quem pagou ingresso, ou como eu sentou na frente da TV, para ver show do camisa 10 e gol de craque da seleção não se decepcionou. Mas Ganso foi um desastre e Neymar não marcou, quem fez esses papéis foram Diego Souza e Dedé.

Primeiro falemos dele; o muito irregular Diego Souza jogou demais. Fez um primeiro tempo exuberante, além do golaço, que dispensa apresentações, passou como quis, quando quis pela defesa santista, e desde o primeiro minuto mostrou que a noite era dele.

Nos últimos 4 jogos, Diego fez 3 digno de seleção. Não preciso desenhar né, não estou dizendo que ela deva ser convocado, só que ele jogou contra Atlético-MG, São Paulo e Santos mais que nossos meias tem jogado na seleção. Fato.

Até quando? Não sabemos, que o vascaíno aproveite o momento do seu camisa 10. Muita gente diz que a “sombra” Bernardo é que tem feito ele se esforçar e jogar melhor. Não sei, confesso que não sei.

Porém o ponto alto da noite, aliás o ponto alto desse time do Vasco é sem dúvidas nenhuma Dedé.

Impressionante como esse jovem zagueiro tem tido facilidade para enfrentar os maiores desafios. Como na foto acima, divulgada por um dos patrocinadores do clube, Lucas, Neymar, D’ale, pode ser quem vier ele não se intimida, marca com muita competência. E sem fazer faltas, uma por jogo, o que para zagueiro não é nada.

Além disso tem dois gols no Brasileirão, nada mal para um jogador de 22 anos e que foi convocado para o amistoso contra a Alemanha.

Poderia ficar aqui falando muito mais sobre esse jogador, quem viu o jogo ontem pode confirmar o que eu estou falando, mas deixo só um recado:

Quando falei que ele deveria ser convocado as cornetas soaram forte, e agora? Concordam comigo?

Papai da show até em Manizales

Neymar estampou as manchetes de hoje por dois motivos bem distintos. Primeiro pelo show que deu ontem em Manizales e segundo por que será papai.

Como esse blog não trata da vida pessoal dos jogadores, e sim do seu trabalho, da sua arte, deixo para os sites de fofoca falarem da paternidade do rapaz.

O que nos interessa é que mais uma vez pudemos desfrutar da categoria desse jogador. Fiquei inebriado ontem, e não foram só as cervejas, que momento, que fase de Neymar.

Dribles objetivos e desconcertantes, finalizações precisas e passes milimétricos, apanhou e não bateu, caiu só quando não poderia mais ficar em pé.

A jogada do gol foi a que mais me chamou a atenção. Por favor olhem no momento que ele dá a assistência ao Allan Patrick, estão em volta dele 6 jogadores do Once Caldas. É algo impressionante. Temos 11 em campo, tira o goleiro, só 4 jogadores não estavam cercando Neymar.

E mais, ele que sempre joga mais pelo lado esquerdo do campo, inteligentemente caiu na direita, a marcação veio e ficou uma avenida para Allan fazer o gol.

Aproveito para elogiar também a atuação do autor do gol, que substitiu Ganso muito bem e além do gol proporcionou outras belas jogadas de ataque.

Zé Love ontem foi um pouco mais do que um cone, o que poderá ser muito útil nas próximas partidas santistas.

Muricy, gostem ou não, arrumou a cozinha e mesmo uma zaga lenta como a do Santos tem segurado todos os ataques que enfrenta, deixando Rafael cada vez mais perto do recorde de Fábio Costa.

Abro um parêntese para dizer que torço duplamente pela quebra desse recorde, primeiro pois quero que esse time seja campeão, e não levando gol aumentam em muito suas chances, e segundo porque não gostaria que nenhum recorde positivo ficasse com Fábio Costa, não suporto esse jogador.

Aos que lamentam a perda em alegria no futebol santista, contentem-se com a chance cada vez mais iminente do título. Não convém cantar vitória antes do tempo, o time colombiano não perdeu nenhuma fora de casa, mas não há como não confiar nesse time da baixada. Ainda mais Neymar jogando o que está.

Domingo temos final do Paulista, ninguém deve ser poupado, será que o papai da vez dará outro show? É pagar para ver.

No sufoco? Nem tanto

E o primeiro brasileiro se classificou. Empate em 0x0 ontem no México e o Santos se saiu bem em mais um jogo decisivo. Muricy só tem enfrentado decisões desde que chegou à Vila e tem se dado bem em todas.

Hoje os jornais estampam em sua capa fotos do bom goleiro Rafael e dizem em suas manchetes sobre seus milagres, e o sufoco passado pelo time da baixada santista.

Discordo. Desde a transmissão de ontem, quando o bom Luiz Carlos Jr. histericamente bradava sobre a pressão do América e dizia que era dia de São Rafael eu relutava em concordar.

O time mexicano precisava da vitória e foi para cima desde o primeiro minuto, enquanto o time santista sem um de seus principais jogadores, Elano, marcava e tentava a sorte nos contra-ataques.

Tirando uma bola na trave cabeceada pelo zagueiro Mosquera, o que se viu foram cruzamentos a toda hora e chutes de longa distância, a equipe brasileira muito bem armada não dava espaços para penetração do  time adversário.

O segundo tempo veio e a história continuou a mesma, chutes de longa distância, “chuveirinho” na área e muita marcação. Desta vez, cabe ressaltar que com a entrada do artilheiro Reyna, os chutes ficaram mais perigosos, e Rafael teve bastante trabalho, saindo-se perfeito em todos os momentos. A melhor defesa do jogo, na minha opinião, veio em uma cabeçada de dentro da área, falha feia de Edu Dracena.

Muricy fez a mesma substituição de sábado, mas dessa vez querendo mais aumentar a altura de sua defesa do que propriamente liberar Ganso. Por isso, ela deu certo em parte; Bruno Aguiar salvou algumas pelo alto, mas o time recuou demais e a pressão, consequentemente, aumentou.

Cá entre nós, Possebom e Adriano não são Arouca e Elano, e Zé Love poderia ter dado lugar a um cone que surtiria mais efeito. Não foi só o esquema que dificultou as ações santistas, os jogadores disponíveis também não têm o mesmo talento que os titulares.

No final, empate justo, Rafael foi mesmo o nome do jogo e o Santos de Muricy se não é tão alegre como antes, tomou apenas 2 gols em 8 jogos, e agora espera Cruzeiro ou Once Caldas para umas quartas-de-final de tirar o fôlego.

Só espero que o time poupe no Paulista e chegue inteiro na Libertadores. Muricy ontem já reclamava da maratona de jogos, Arouca e Léo se contundiram, Elano já estava fora,  chega uma hora que o corpo não aguenta e devemos respeitar.

Se o preço for entregar o Paulista para o Corinthians, que assim seja feito, Felipão fez em 99 e ninguém reclama até hoje no Parque Antártica. É uma troca justa!

Meninos eu vi.

O final de semana foi corrido, foi quente, só agora terei tempo de atualizar o blog para vocês.

E com essa música do grande compositor, Chico Buarque, que eu ilustro o que aconteceu sábado, Meninos eu vi.

O dia estava lindo, temperatura perfeita para uma partida de futebol e a única coisa que me afligia era se Muricy pouparia ou não seus principais jogadores. Afinal era para isso que eu estava indo ao Morumbi.

Radinho no ouvido, e nada, menos de 45′ para o início da peleja, e nada. Quando eu estava passando pela revista, já dentro do estádio e a meia hora do apito saiu a escalação. Para minha alegria ele não poupou ninguém. E ao me acomodar na cadeira só torcia para que o tempo demorasse a passar naquela tarde de 30 de abril.

Começou o jogo e os dois times partiram para cima, Neymar aproveitando uma falha clamorosa de Alex Silva quase abriu o placar, mas Rogério Ceni e a trave impediram o gol. Depois dos times se assentarem em campo só deu São Paulo. O primeiro tempo, dos 20′ em diante foi quase um massacre tricolor, com Dagoberto jogando muito e Jean chegando perigosamente para os arremates.

Mas faltou competência para fazer o gol e o jogo foi para o intervalo 0x0. Neymar se movimenta o jogo inteiro, impossível marcá-lo, Xandão bem que procurava o craque santista mas não era uma tarefa fácil; Ganso por outro lado, mesmo com muito espaço que lhe era dado pelo meio campo sãopaulino não aproveitava e não fazia uma boa partida.

São Paulo ganhava o meio campo, o Santos jogava com menos um, pois Zé Love e um cone seria a mesma coisa, e Ganso, mal posicionado nem recebia bola, tampouco fechava o meio e as subidas dos volantes do tricolor. Bom, se eu que sou eu vi isso, era óbvio que o time voltaria diferente para o segundo tempo.

A alteração foi decisiva para a vitória santista, e todos, com justiça, falavam da “mão” do treinador no resultado. Muricy sacou o nulo Zé Eduardo e colocou Bruno Aguiar na zaga. Mas ele não colocou só um zagueiro, ele adiantou a marcação, principalmente nas laterais acabando com a subida de Ilsinho e Jean pela direita e Carlinhos Paraíba e Marlos pela esquerda. Além disso, e talvez o mais importante, foi que ele adiantou Elano pela direita e Ganso no meio, tendo muito mais mobilidade e presença no campo de ataque.

Bem no início do segundo tempo o volante Jean entrou cara a cara com o goleiro Rafael e mandou a chance de abrir o placar para longe  e quando se joga contra um time com dois craques, não se pode errar tanto. Como diria o técnico vencedor da tarde “A bola pune”.

Lembra que eu falei que Ganso não estava jogando nada não é mesmo, pois é não estava; jogada de Neymar, ela sobra para Ganso na lateral da área, cruzamento perfeito para Elano que só precisou empurrar de cabeça para as redes, Santos 1×0.

Carpegiani demorava para mexer, Marlos irritava a todos em campo, e só depois da metade do segundo tempo é que ele colocou Rivaldo. Na minha opinião, em um jogo decisivo e com um jogador com a qualidade técnica de Rivaldo, não se pode começar o jogo com ele de fora. Ah mas a velocidade era a arma do São Paulo, sim e que jogada veloz o Marlos fez que deu certo? Quem disse que velocidade é só correr com a bola, Rivaldo poderia muito bem dar velocidade às jogadas com seus passes e lançamentos precisos. Sem contar que por muitas vezes faltou finalização para o tricolor do Morumbi, um chute bem dado da entrada da área poderia ter mudado o panorama da partida.

Enfim, quando ele resolveu por Rivaldo em campo o time já perdia o jogo, o meio campo e o ânimo.

Quando dois craques se juntam temos um gol como o segundo tento santista, Léo rouba a bola e toca para Ganso, ele dá um lançamento primoroso para Neymar, ele leva dois jogadores do São Paulo que tentam fazer a falta, ele escapa e não cai, entra na área, Rogério Ceni lhe fecha o ângulo, ele para e espera, rola pra trás com perfeição para quem está entrando, que é nada menos que PH, este com um tapa milimétrico coloca ela entre o zagueiro e o goleiro e decreta o resultado final da partida, Santos 2×0.

O São Paulo, mesmo completamente desanimado não desistiu, Rivaldo colocou a bola na cabeça de Fernandão que cabeceou para fora, e Bruno Aguiar salvou um chute que já havia passado pelo goleiro. Não deu. A tarde era santista.

Se um craque já faz a diferença, imaginem dois e com mais um no banco. É, meninos eu vi, Ganso, Neymar e Muricy juntos, essa história meu filho irá ouvir; várias vezes.

Como é bom amar o futebol

Quem ama o futebol como eu entenderá o motivo desse post. Moro em São Paulo há pouco mais de um ano e não torço para nenhum time daqui. Como diria o “poeta”, isso é uma faca de dois “legumes” mas o melhor de tudo isso é que eu vou a jogos de qualquer um dos times daqui sem me preocupar com o resultado, apenas para ter o prazer de ver um jogo no estádio.

O cheiro do gramado, a cor da grama, o concreto, como é bom ver um jogo de dentro do gramado, que satisfação que é. Hoje, há exatos 10′ um primo meu, grande sãopaulino me manda a seguinte mensagem via celular: “Comprados”. Parece pouco não? Pois não é, com essa simples palavra eu acabei de ter a certeza que sábado estarei presente no Morumbi e verei ao vivo Ganso e Neymar (a não ser que o Muricy resolva poupar o time, o que, diga-se de passagem, é o que eu faria se fosse técnico).

E assim, poderei dizer daqui a 20 anos para meus filhos que eu os vi jogar, se o Ganso for para o Milan não saberei se terei outra oportunidade.

Para quem ama o esporte, esses momentos aparentemente bobos são os que mais ficam, não me importa quem irá vencer no sábado, o que vale é que estarei lá.

Demorou mas engrenou

Ele se arrastou, teve muitas rodadas enfadonhas, mas o Campeonato Paulista chega nas semis com dois clássicos e muita expectativa.

Palmeiras e São Paulo estão de olho na Copa do Brasil, Santos então nem se fala o quanto quer a Libertardores, mas não adianta, chega nessa altura do Campeonato ninguém quer ver um rival levantar a taça, e já se sente nas ruas um burburinho gostoso.

Os regulamentos dos Campeonatos Estaduais têm que ser revistos, isso é claro, mas como disse Felipão, agora que todo mundo assinou não tem o que reclamar, é jogar com o regulamento que está aí. E isso o Palmeiras dele tem feito como nenhum outro. O time joga sempre o suficiente, tem a melhor defesa, e na minha opinião é o favorito para ser campeão. É engraçado como cada um dos 4 leva uma vantagem para esses últimos confrontos.

Se o Corinthians tem elenco mais fraco que Santos e São Paulo, é o único com dedicação exclusiva ao Paulista, uma questão a se considerar. Santos tem mais craques e o melhor treinador, porém além de ter uma viagem para o Chile nessa semana, Muricy chegou agora lá, será que dá tempo de ser campeão? São Paulo terminou em primeiro na fase de classificação e é o time em maior ascensão de todos, mas contusões de Lucas, Luis Fabiano, Alex Silva e Rodrigo Souto prejudicariam qualquer time. Para terminar, Palmeiras liderou grande parte do Campeonato, tem a melhor defesa e é um time com a cara de seu técnico, querem mais? Se não é o melhor elenco, é o elenco que se doa ao máximo.

Essa para mim é a fotografia dessa reta final, aposto numa final São Paulo e Palmeiras, e título do Verdão, mas ninguém pode ser apontado como favorito, tamanha a igualdade de forças.

Alguém aponta um favorito?